09 fevereiro 2010

Família / Como evitar e vencer o adultério?


O que você lerá são dicas preciosas, atitudes que podem auxiliar no sucesso da sua relação matrimonial. Não é de fato uma fórmula que garanta a imunidade contra o mal do adultério, porém, com certeza, vai ajudá-lo a enxergar quando esta cilada bater à sua porta ou quando encontrar-se diante desta armadilha maligna e mortal.

O que fazer então?

Enumerei abaixo onze conselhos práticos para vencer este pecado que traz conseqüências tão devastadoras:


1) Não elimine a possibilidade da traição



Esse primeiro ponto é, sem dúvida, extremamente importante e deve ser levado muito a sério. Quando você elimina a possibilidade de que algo possa acontecer nessa área, esse é o primeiro passo para que algo ocorra. Se eliminarmos a possibilidade de cairmos em adultério, a tendência comum é relaxar, descansar e abrir a guarda, o que resulta na exposição à tentação e à possível queda em pecado. As Escrituras declaram: “Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia” (1 Coríntios 10:12).

Se você pensa não ser possível que isso aconteça, tem um conceito errado acerca de si mesmo e do seu cônjuge, arriscando seu casamento com pensamentos ingênuos e inconseqüentes do tipo: “ele(a) seria incapaz de fazer isto, pois me ama demais!”, ou “mais crente que ele(a) não existe!”, ou ainda, “ele(a) não teria coragem!”. E as justificativas para essas e outras afirmações são fortes, pois talvez ele(a) seja um(a) pastor(a), homem (mulher) de Deus, missionário(a), canta no louvor, muito feio(a) – na sua própria opinião, tímido(a) ao extremo, etc. De fato todas essas alegações e muitas outras podem ser verdadeiras e sinceras, mas a ordem de Deus é: orar e vigiar!

Deus nos manda enfrentar tudo: o mundo, o diabo, os desertos e crises da vida. A Bíblia nos ensina a sermos fortes, valentes, perseverantes e a seguir adiante. Mas, quando fala a respeito de lidar com paixões (o que inclui o sexo fora do casamento), a Palavra de Deus determina e ensina que o melhor caminho é fugir: “Foge também das paixões da mocidade, e segue a justiça, a fé, o amor, a paz com os que, de coração puro, invocam o Senhor” (2 Tm 2.22). Portanto, fuja!

José do Egito só venceu e não caiu em adultério com a mulher de Potifar porque fugiu. Literalmente correu dela! “Então ela, pegando-o pela capa, lhe disse: Deita-te comigo! Mas ele, deixando a capa na mão dela, fugiu, escapando para fora” (Gênesis 39:12).

Então, a partir de hoje, para o seu próprio bem pense assim: “isso pode acontecer comigo, não sou melhor do que os que já tombaram no meio da jornada, não sou feito de um barro melhor e por isso vou ficar bem vigilante sempre reconhecendo que Deus é o verdadeiro segredo da minha permanência de pé”!



“Porque da janela da minha casa, por minhas grades olhando eu, vi entre os simples, divisei entre os jovens, um mancebo falto de juízo, que passava pela rua junto à esquina da mulher adúltera e que seguia o caminho da sua casa...Agora, pois, filhos, ouvi-me, e estai atentos às palavras da minha boca. Não se desvie para os seus caminhos o teu coração, e não andes perdido nas suas veredas...Caminho de Seol é a sua casa, o qual desce às câmaras da morte”.

Provérbios 7:5-27



A ordem bíblica de fugir tem uma razão: não existe ninguém que seja forte demais nessa área, ninguém que, ao ser constantemente tentado, consiga resistir sempre com suas próprias forças.

Não é sábio arriscar e, mesmo que existam pessoas que consigam resistir mais que outras, a verdade é que ninguém consegue resistir todo o tempo. Então, fuja, corra, e, com isso preserve sua vida, casamento e família, envergonhando o inferno, quebrando as maldições e glorificando o nome de Jesus!

Portanto, jamais elimine a possibilidade de cair!



2) O sexo não pode ser um tabu



Ainda hoje, quando se fala em sexo, algumas pessoas desviam o olhar, ficam envergonhadas, coradas e até escandalizadas.

Será que existe razão para tudo isso?

Creio que não, pois foi Deus quem criou o sexo. Ele entende mais de sexo do que o diabo, que hoje em dia se mostra como dono dos prazeres sexuais, e dessa forma, continua a mentir e enganar as pessoas.

Sexo é uma coisa normal, faz parte da nossa vida, assim como alimentar-se, dormir, trabalhar e ir ao banheiro. Embora mesmo hoje em algumas igrejas, acredite-se que o pecado de Adão e Eva tenha sido o sexo, e essa afirmação é um absurdo!

Há desses lugares em que só se faz sexo para a procriação, ou quando se abre a Bíblia como uma loteria para cair exatamente em alguma passagem que permita o ato, ou insinue a possibilidade de ter relações sexuais. As crenças chegam ao ponto de pensarem que o ato deve ocorrer rapidamente, antes que Jesus volte e os pegue no flagrante do ato, evitando sua salvação e arrebatamento. Outros fazem somente de luz apagada, vestidos ainda com algumas peças de roupa, tentando preservar a “decência”, entre outras crenças absurdas.

Se eu acreditasse, de fato, que fosse necessário abrir a Bíblia para ter e oferecer sexo à minha esposa, teria uma Bíblia exatamente marcada nas páginas que tratam especificamente do assunto, e ela seria sem dúvida uma bíblia “viciada”! Todas essas crenças não passam de falta de conhecimento e ignorância a respeito de algo que o próprio Deus inventou! Há tanta gente sofrendo e deixando de desfrutar o melhor de Deus por falta de conhecimento. Veja abaixo alguns textos bíblicos sobre o assunto:



“Apenas me tinha apartado deles, quando achei aquele a quem ama a minha alma; detive-o, e não o deixei ir embora, até que o introduzi na casa de minha mãe, na câmara daquela que me concebeu”

Cânticos 3:4



“Quão doce é o teu amor, minha irmã, noiva minha! Quanto melhor é o teu amor do que o vinho! E o aroma dos teus ungüentos do que o de toda sorte de especiarias!”

Cânticos 4:10



“Os teus lábios destilam o mel, noiva minha; mel e leite estão debaixo da tua língua, e o cheiro dos teus vestidos é como o cheiro do Líbano”.

Cânticos 4:11



“Levanta-te, vento norte, e vem tu, vento sul; assopra no meu jardim, espalha os seus aromas. Entre o meu amado no seu jardim, e coma os seus frutos excelentes!”

Cânticos 4:16



“Quão formosa, e quão aprazível és, ó amor em delícias!”

Cânticos 7:6



“A mulher não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim o marido; e também da mesma sorte o marido não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim a mulher”.

1 Coríntios 7:4



Sexo não pode ser tabu, todo mundo faz, então para quê tanto pudor ao tratar de um assunto que deveria ser tão natural?

Casais que não conversam a respeito de sua vida sexual, que não expõe de maneira aberta e sincera seus pensamentos, desejos, preferências e dúvidas, acabam com a cabeça “cheia de minhocas”. Uma das razões para tantos problemas é exatamente a falta de conversa sobre o assunto.

Cada vez que um dos cônjuges sente a necessidade de falar no assunto e não o faz, por vergonha ou qualquer outro motivo, está contribuindo para agravar a situação. Agir como um vegetal e esperar que as circunstâncias mudem ao seu redor, sem ação, é ilusão! Não querer enfrentar o problema só vai causar mais problemas. Portanto, casais devem conversar vezes e mais vezes sobre esse tema de tanta importância e evitar que sexo seja um tabu entre eles.

O sexo também pode ser um tabu para os filhos do casal, dependendo de como os pais lidam o assunto em casa. Quando os pais fingem que sexo não existe para os seus filhos, uma grande oportunidade para o diabo aparece, para ensiná-los ao modo do mundo o que o sexo representa. Na grande maioria das famílias, e no conceito do diabo, sexo para as filhas deve ser vergonhoso, proibido e limitado, ensinando a “cruzar bem as pernas desde pequena”. Por outro lado, para os filhos deve ser pornográfico, ilimitado, não relacionado ao amor. São ensinados desde cedo a ter o maior número de parceiras possível ao longo de suas vidas, provando sua masculinidade através do pecado. Seguramente esse é um dos maiores motivos pelos quais as esposas têm tanta dificuldade de falar no assunto, ou de desfrutar do prazer extraordinário que o sexo em Deus é. Da mesma maneira, para os filhos homens, contribui para a formação de um caráter inseguro, baseado em pornografia e infidelidades para afirmação desses conceitos. Portanto, sexo na verdade é um assunto de família, e não somente do casal.

Lembre-se que sexo tem data marcada para acabar, portanto o que se tem para desfrutar dessa dádiva de Deus é aqui e agora, nesta terra, o céu é o fim desse maná.



“Porque na ressurreição nem casam nem são dados em casamento; mas serão como os anjos de Deus no céu”.

Mateus 22:30





3) Não tenha amizade com pessoas do sexo oposto



Quem cultiva amizade com pessoas do sexo oposto não está vivendo o primeiro item deste artigo, pois acredita que é forte o suficiente para não confundir as coisas e não cair em tentação.

Entretanto, é necessário esclarecer que a tentação pode ser moral ou física, às vezes, inclusive, se configura apenas no pensamento, o que nós chamaríamos de adultério de alma, que possivelmente culmina em adultério físico. É uma paixão que inicia-se com um envolvimento de alma, uma identificação muito forte que não parece perigosa por não começar com atração física, mas é adultério do mesmo modo, e muito perigoso e prejudicial. Eu diria mais perigoso do que a “simples” atração física, pois a atração física é incomparavelmente mais fácil de lidar do que o envolvimento de alma. Esse envolvimento de alma muitas vezes vira uma paixão louca de adolescente e mata por dentro, então muito cuidado!



“Eu, porém, vos digo que todo aquele que olhar para uma mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela.”

Mateus 5:28



É preciso enxergar que, ainda que uma das partes não se apaixone, o “amigo” pode se envolver e uma confusão emocional pode começar a brotar em um momento de carência. A partir desse ponto, sofrimentos e prejuízos morais e familiares podem surgir. Por isso, para quem realmente quer evitar situações como essa, amizade entre homem e mulher não existe! Em algum momento o “caldo entorna” e alguém acaba confundindo as coisas.

É bom esclarecer que coleguismo é uma coisa, amizade é outra totalmente diferente. Não confunda as coisas, tampouco seja extremista, só pessoas doentes e cativas que não podem se relacionar com o sexo oposto de maneira equilibrada e saudável.

Amizade entre casais casados existe e é muito saudável. Chego ao ponto de condenar categoricamente amizades isoladas de um dos cônjuges com pessoas até do mesmo sexo (nesse caso, sem levar para o lado da homossexualidade mas para o lado prático), pois acredito que aquele que não pode se dar bem comigo, não pode e não serve para ser amigo do meu cônjuge também!

Então, repensem as amizades isoladas, tanto do sexo oposto como do mesmo sexo. Cuidado com as amizades do seu cônjuge, cuidado com os conselhos que você ouve e com os conselhos que ele ouve, muito cuidado!



“Não vos enganeis: as más conversações corrompem os bons costumes”.

1 Coríntios 15:33



O ideal é cultivar amizades com pessoas que têm afinidades com o casal de uma forma completa, pessoas que não trazem reservas, a nenhum dos parceiros.

Finalizo ao chamar a atenção para um um cuidado redobrado com faculdades, cursos superiores, ou qualquer outro ambiente onde somente um dos cônjuges tem acesso. Não é o isolamento de um cônjuges à esse ambiente a solução do problema, mas a integração o quanto possível do casal ao mesmo. Se há eventos sociais, oportunidade de socialização, então que os dois estejam juntos. Essa é a melhor maneira de evitar as amizades isoladas e, assim, evitar as situações de perigo.





4) Não dê carona



Não dê carona para as pessoas de sexo oposto. Um rotina nesse tipo de situação, como um colega de trabalho que mora perto da casa, pode abrir um buraco no muro da fidelidade conjugal. Em caso de necessidade extrema de carona, leve sempre mais de uma pessoa, desta forma você não só evita brechas e situações desagradáveis, como cumpre outra orientação bíblica de evitar a aparência do mal.



“Abstende-vos de toda a aparência do mal”.

1 Tessalonicenses 5:22



5) Cuidado com quem você conversa ou toma conselhos



Não fale do seu problema com quem não pode te ajudar!

A lista dos incapacitados para te ajudar é enorme. Muitas pessoas foram fracassadas em seus relacionamentos, o que o faz pensar ou leva a concluir que se não deu certo para seu amigo, pode ser que ele ajude através de suas experiências. Sem dúvida sempre há algo a aprender com todo mundo. E, se formos espertos, poderemos aprender até com os erros dos outros, pois aprendemos até como não fazer!

Mas, de fato, propriedade e sabedoria para nos ajudar têm aquelas pessoas que alcançaram sucesso. Considero então uma má escolha que pessoas “fracassadas” dêem conselhos a respeito de áreas em que elas próprias ainda não acharam o caminho do sucesso. É como pedir conselho a um pobre sobre como enriquecer. Então, não peça ajuda a quem tem uma família fracassada ou não vive nos preceitos bíblicos, mesmo aparentando ter uma família feliz.

Cuidado com o conselho de gente sem Deus e que não vive baseada nos princípios bíblicos. Cuidado com o conselho de amigos, (provavelmente eles não serão imparciais e podem querendo ajudar, te atrapalhar, além de nem todos serem capacitados para isso).

E a família, será que ela pode ajudar?

Nããããõoo... Mil vezes não!!! Papai, mamãe, irmãos, tios e todos os outros parentes não são as pessoas mais indicadas para te auxiliar, acredite! Você pode destruir pontes e um bom relacionamento entre seu cônjuge e as pessoas de sua parentela expondo desavenças e discordâncias entre o casal. Portanto, não é prudente envolvê-los em seus conflitos matrimoniais, exceto em raras exceções.

Em se tratando da família, é necessário levar em conta a influência emocional ao expor seus temas, pois quando se passa pela crise, tudo é vivo e latente, e temos uma tendência de expor o lado negativo do cônjuge no aumentativo! Depois que a crise passa, entre o casal estará tudo esquecido, mas para a família ou pessoa a quem você contou no calor da briga e das suas emoções, guardou tudo no aumentativo. Então, cuidado ao compartilhar os “probleminhas” com sua parentela. Cuidado com o que você fala do seu cônjuge para outras pessoas que não sejam aptas a ouvir de modo imparcial, preparadas para ajudar de fato. Fale do seu problema somente com quem pode te ajudar!

E quem pode ajudar-lhe?

Provavelmente o seu pastor, um psicólogo, um conselheiro matrimonial, um líder, uma pessoa experiente em conflitos conjugais. Pense a respeito, ore e tome a decisão de procurar alguém que realmente tenha condições para te ajudar.

É bom ressaltar que os extremos sempre são perigosos; enquanto um fala com todo mundo, o outro não fala com ninguém! Não falar também não é aconselhável, além de que, isto revela orgulho e medo, o que também não é saudável no relacionamento. Mais uma vez, extremos sempre são perigosos!



“Busca satisfazer o seu próprio desejo aquele que se isola, ele se insurge contra toda sabedoria”.

Provérbios 18:1



Sempre vamos precisar uns dos outros; há sempre alguém que vai te ouvir com atenção, respeito, amor, entendimento, sem julgamento, sem trair a sua confiança. Sempre haverá alguém que Deus vai levantar para você voltar a confiar e receber ajuda, mesmo depois de uma decepção no passado. Portanto, fale com alguém do seu problema, não passe pela tormenta sozinho, isso não é plano de Deus.

Outra coisa importantíssima: não compartilhe intimidades da sua alma com o sexo oposto, nunca!

Guarde a sua alma de dores e armadilhas. Essa regra se aplica a todos, mas especialmente a líderes de células, pastores e obreiros: não ouça problemas conjugais ou sexuais de pessoas do sexo oposto sem a presença do seu cônjuge ou do cônjuge da pessoa envolvida! Não faça aconselhamento sozinho e não permita que as pessoas que estão com problemas entrem em muitos detalhes, porque com ou sem maldade, com ou sem segundas intenções de quem se aconselha ou desabafa, pode ser muito perigoso aquilo que vai entrar na sua mente. Portanto, evite ao máximo qualquer tipo de aconselhamento ou situação onde você esteja sozinho com pessoas do sexo oposto. Não permita que fantasias e comparações comecem a poluir sua mente, seja radical quanto a isso, pois afinal seu ouvido não é pinico!

Cuidado com as conversas corriqueiras, a ligação afetiva maligna começa com uma descontraída troca de experiências. Conversas sobre sua rotina, planos e projetos de vida, troca de mensagens por celular ou e-mail, conversas pela internet e novidades do dia-a-dia em comum só podem culminar na total exposição da sua rotina emocional, familiar e conjugal. A partir dessas conversas você pode se envolver emocionalmente e criar uma situação perigosa à sua alma.

Quando você se abre para alguém, corre o risco dessa pessoa querer entrar “autorizadamente” por você em áreas da sua vida que você não convidou. Mas, por ser tarde demais para reconhecer a invasão, ou pior, querer tirá-la de lá, essa pessoa já faz parte da sua vida, já influência suas decisões e seu comportamento com seu cônjuge e filhos.

Não se iluda, há homens e mulheres especialistas em seduzir e influenciar pessoas com a artimanha de serem bons ouvintes, solidários, generosos e amigos, até conseguirem influenciar e destruir seu casamento e sua família.

A propósito, o que ajuda o cônjuge a não sentir necessidade de compartilhar sua vida com terceiros é ter em casa alguém que seja cúmplice, que ouça, que fale, que seja amigo. Mais uma vez frisamos a importância da conversa entre os cônjuges, de compartilhar tudo. Para isso, será necessário que você demonstre interesse por aquilo que seu cônjuge faz e que é importante para ele, para que ele possa ter a iniciativa de conversar com você sobre tudo e não buscar terceiros para o ouvir.



“O caminho da mulher adúltera é assim: ela come, depois limpa a sua boca e diz: Não fiz nada de mal”.

Provérbios 30:20



6) Não aceite o isolamento



De maneira geral, não aceite situações onde seu cônjuge não pode participar ou saber a respeito. Sair pra comer sozinho com pessoas do sexo oposto (mesmo que pessoas do trabalho), aceitar presentes ou agrados pessoais do sexo oposto , tirar férias sem o cônjuge (mesmo que seja uma viagem oferecida pela empresa), etc. São e sempre serão situações de isolamento de um dos cônjuges e, conseqüentemente, de possibilidade de traição.

Ignorar e aceitar essas situações é se conformar com o padrão do mundo, onde tudo é permitido e válido.



“Toda as coisas me são lícitas, mas nem todas me convêm”.

1 Coríntios 6:12



Para fugir dessas situações é necessário coragem e caráter para enfrentar amigos, chefes e qualquer outra pessoa que não tenha os mesmos valores. Sua atitude deve sempre ser a de preservar a integridade da sua família e seus valores espirituais, o máximo possível. Por isso, não aceite!



7) Se faça presente



Lembre-se do velho ditado popular: “quem não é visto, não é lembrado”!

Visite o seu cônjuge (combinando antes com ele ou mesmo de surpresa), apareça e visite-o na faculdade, no trabalho. Vá a algumas reuniões profissionais dele em que seja possível sua presença, não falte às confraternizações e festinhas que ele tem que comparecer. Se apresente para as pessoas da convivência dele, ponha fotos da família e do casal na carteira, na bolsa, na mesa do trabalho, no caderno. Mande flores, recados, presenteie de “vez em sempre”, faça todos saberem que ele é comprometido, amado, bem casado e que vai tudo muito bem! Deixe a impressão que ele(a) está bem “vigiado(a)”. Use sempre a aliança, um dos maiores símbolos de amor desse casamento!

Você pode pensar: minha vida é muito corrida, não temos como estar todo tempo juntos! A verdade é que devemos fazer o possível e impossível para estar o mais presente possível na vida um do outro, participar desses mundos isolados, mesmo que ocasionalmente.



8) Cuidado com a comida...



Que tipo de alimento você têm oferecido à sua alma? Cuidado com as conversas, piadas, livros, sites e filmes. Quando digo filmes e sites, não estou falando apenas de pornografia, o que claro é inaceitável e extremamente prejudicial, mas também os filmes e sites imundos, com conteúdo erótico, lascivo e imoral, abominados aos olhos do Senhor Deus.

Chamo a sua atenção para aqueles filmes aparentemente inofensivos, que locamos com a família e que, inevitavelmente, no meio da trama, rola uma cena de sexo picante. E quando isso acontece o que você faz? Fica olhando vidrado? Fica dizendo que isso não te afeta, que você se domina ou coisa semelhante? Não faça isso! Quando se deparar com essa situação desvie o olhar, não veja até terminar a cena. Reconheça que isso é artimanha do diabo para alimentar algo nocivo e até mesmo entrar na sua mente de forma ardilosa e sutil com a finalidade de gravar essas porcarias na sua memória para lembrá-lo depois e te trazer opressão e acusação. Não se contamine, não se engane, pois isso é lixo! É comida envenenada do inferno para a sua alma, portanto vigie!



“A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo teu corpo terá luz; se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há são trevas, quão grandes são tais trevas!”

Mateus 6:23





9) Enterre o passado morto



Nem todos tiveram ou têm a alegria de se casarem virgens e com isso desfrutarem da plenitude da bênção de Deus nessa área sem lembranças. Mas, independente disso, você precisa enterrar (“morto”) seus antigos relacionamentos, fazer uma renúncia de alianças físicas e emocionais, pois só assim poderá desfrutar de saúde sexual na sua relação.

Não faça comparações em sua mente, peça a Deus libertação em relação a isso, e jamais, de forma alguma, fale para o seu cônjuge dos seus antigos relacionamentos. Nunca assemelhe, exemplifique ou compare as atitudes e habilidades do seu cônjuge com pessoas do passado, pois o que passou, passou. Não destrua a auto-imagem de quem você ama com citações de relacionamentos antigos. É horrível e maligno ser comparado. Ainda que seu cônjuge diga que não se importa, não faça isso; ou ele está mentindo ou não percebe o mal que isso lhe esta fazendo.

E para enterrar o passado morto, nada melhor que destruir as memórias desse passado. Jogue fora fotos, cartas, presentes, e qualquer coisa que ligue você ao seu passado com outros “amores”. Se você não acha necessário fazê-lo, ou se não consegue tomar essa atitude de libertação sobre qualquer pretexto, é certo que ainda não enterrou o passado ou ele está enterrado “vivo” dentro de você. Não se iluda mais, seja livre em nome de Jesus! É para o seu próprio bem. Faça o que tem que ser feito ainda hoje!



10) Não tenha ou faça expectativas exageradas



Não faça expectativas exageradas acerca do sexo, do casamento, do seu corpo, e especialmente do corpo do seu cônjuge. A expectativa falsa e exagerada frustra e tira a graça do relacionamento. Saiba que o que você viu até hoje em filmes e ouviu os outros falarem sobre sexo é exageradamente mentiroso ou individual demais para ser seguido como regra geral.

Sexo é bom demais, é benção, é de Deus! Mas dá trabalho! Como exemplo clássico tomo a primeira noite da lua de mel: quase sempre é difícil e foge às expectativas por várias razões, até mesmo pelo cansaço e estresse da festa do casamento. O melhor do sexo vem com a prática (monogâmica), com muita conversa, leituras, paciência, amor, carinho e tempo.

São muitas as diferenças entre homens e mulheres e é preciso tempo, amor e paciência para se chegar lá.

Mais uma vez, digo: cuidado com as expectativas erradas e exageradas! Corpo perfeito? Casal perfeito? Vida de novela? Acorde e viva a vida real, com defeitos e imperfeições. Pare de se espelhar em romances, que geralmente são baseados em conceitos mundanos e não bíblicos. A vida é real e precisa ser vista com olhos bíblicos e práticos!



11) Tenha uma vida sexual satisfatória!



Tenha uma vida sexual dinâmica, viva, empolgante, quente, qualitativa, quantitativa, imprevisível! Tente, invente e faça um sexo diferente! Tudo isso, é claro, em uma relação responsável entre marido e mulher, pois sexo só é benção, saudável e de Deus dentro do casamento. Fora disso é maldição!



“A posse antecipada de uma herança no fim se tornará em maldição”

Provérbios 20:21



Leia livros a respeito do assunto, participe de encontros de casais, converse com seu cônjuge muitas e muitas vezes, se necessário procure ajuda médica e especializada, até poderem desfrutar de uma vida sexual maravilhosa, que é o plano de Deus para sua vida.

De acordo com a revista americana Forbes, a Queens University divulgou o resultado de uma pesquisa no British Medical Journal comentando que homens que tinham orgasmos com maior freqüência apresentavam metade da taxa de morte do que os outros. Outros estudos mostraram que fazer sexo algumas vezes por semana podem trazer benefícios como: reduzir problemas no coração, perder peso, reduzir o estresse, aliviar dores, reduzir depressão e as chances de resfriado.

Sexo no casamento não é tudo, mas é “quase tudo”, é muito importante, por isso se esforce para dar e ter muito prazer, para gozar a vida com toda a plenitude de Deus para vocês!

pr. Ricardo Vasconcellos
http://www.familiadesucesso.com/